Como Solicitar Um Novo Empréstimo para Pagar Menos Juros

Escrito por  Cash Rápido  |  Destaque, Empréstimo  |25/10/2019



ANÚNCIOS




ANÚNCIOS


Fazer a simulação de empréstimo antes de fechar qualquer negócio, essa é nossa dica para as pessoas de todas as esferas, além disso é necessário ficar de olho bem aberto, tem que comparar os custos totais e se informar de todos os detalhes da contratação do empréstimo consignado, cheque especial, crédito pessoal, financiamento de veículo e do empréstimo pessoal também.

Com tanta divulgação da queda das taxas de juros, é ou não é a hora de re-negociar, para quem possui dívidas de empréstimos ou financiamentos a longo prazo, nesse momento pode ser uma boa hora de pesquisar condições melhores em algumas modalidades de empréstimo para evitar estar pagando taxas mais altas, tanto para quem que solicitar o empréstimo consignado, crédito pessoal, cheque especial e financiamento de veículo.

Sem fazer uma boa pesquisa nos bancos e instituições financeiras, fica difícil saber quanto está realmente sendo cobrado de juros nas operações de crédito, mesmo com essa dificuldade não deverá inibir que tomadores de novos empréstimos ou quem deseja renegociar as dívidas de empréstimos como os servidores públicos federais, estaduais e municipais para conseguir diminuir o valor das parcelas.



ANÚNCIOS




ANÚNCIOS


Momento do Brasil

Não podemos negar que o momento em estamos vivendo é único e sem precedentes na história do País, quem quer lucrar com a situação deve aproveitar, mesmo não sendo visível a olho nu, ainda, as taxas de juros estão com tendência de continuar caindo, principalmente devido às medidas adotadas pelos principais bancos público, o Banco do Brasil, Caixa Econômica e BNDES, que reduziram os juros de alguns produto de forma drástica.



ANÚNCIOS


Banco x Financeiras



ANÚNCIOS


A diferença nas taxas de juros de uma instituição para outra na mesma modalidade pode gerar uma boa economia de dinheiro na hora de pagar as parcelas do empréstimo.

Para os servidores públicos que optarem pela utilização do cheque especial, a atenção deve ser redobrada, de acordo com BC (Banco Central) e dados informados pelos bancos privados, os juros dessa modalidade variam entre 3,5% ao mês e 10,31%, essa porcentagem é variável de acordo com o tipo de cliente e tipo de conta bancária.



ANÚNCIOS


Vale lembrar que quando medidas como essas que fizeram Caixa e Banco do Brasil no segmento de crédito e financiamentos, no meio do percurso da solicitação, o solicitante sempre vai encontrar informações truncadas ou dadas incorretamente, dado a esse fato o consumidor deve prestar mais atenção para não ser enganado ou levar gato por lebre.

Por que não posso ter a taxa mais barata? O banco diz que oferece taxa de juros a partir de 0,99% ao mês, mas quer me cobrar 2,99%.



ANÚNCIOS


As instituições bancárias levam em consideração, para determinar a taxa de juros, o perfil de cada cliente, assim, a taxa não é a mesma para todas as pessoas. Contam pontos na redução da taxa o relacionamento do tomador do empréstimo com o banco, além do histórico de crédito, quem já esteve inadimplente pode ter que pagar juros maiores em um novo empréstimo.



ANÚNCIOS


Foram alteradas as taxas de cheque especial e crédito rotativo, mas ainda tem uma margem enorme para mexer. Algumas variam, por exemplo, de 0,99% a 3,99%, é muita elástica.

As instituições bancárias, no entanto, têm critérios diferentes para determinar os juros cobrados de cada cliente. Assim, para encontrar a melhor condição para cada perfil, é preciso pesquisar e comparar.

Euforia



ANÚNCIOS



ANÚNCIOS



Roberta alerta que este “é um momento delicado, com várias instituições financeiras abrindo as portas”. Justamente por isso, é fundamental que os consumidores evitem uma “situação de euforia”. “A portabilidade tem que ser uma atitude de reflexão, de pesquisa, tem que solicitar todos os dados, pedir por escrito, para poder verificar os benefícios recebidos.”

E a modalidade deve ser usada para trocar uma dívida mais cara por uma mais barata – não para contrair novas dívidas. “Não é porque tenho crédito que vou entrar em dívida, vou comprar um carro mais caro, por exemplo”, orienta Samy Dana.

>